terça-feira, 16 de novembro de 2010

Fragmentos


Tonight is a good night to nightmares
Don´t ask me why I know
I just know this...I just know.



Vou me deixar guardada

Aqui nestas palavras em semente
E vou pra bem longe, bem longe

Quero aprender como as asas batem
Porém, quero batê-las por mim mesma.
Caminhar com meu próprios pés.
Tocar minhas experiências.
Cantar para meu próprio coração.

A ineficiência do Caos
A tristeza do Belo
A imaturidade da Ordem
A fé do Grotesco

E que não sei explicar nem onde termina nem onde começa.

Rostos bailam por entre as vitrines
Roupas escolhidas a dedo por artistas
Cabeças fracas, mortas a punhaladas pelas costas.
Crises de choro em meio ao riso falso
É tudo o que assisto.

E a morte escolhe a flor
Já seca e pálida
Pra me botar na lapela: A flor sou eu.

Tudo mudou
Mas de nada adiantou
Pois o coração é o mesmo.

Um comentário:

Valéria Lourenço disse...

Muito bom Mari...amei, às vezes não comento tudo que leio aqui. Mas saiba que leio e guardo na alma.
Bjs.