sexta-feira, 12 de novembro de 2010

Gregor Samsa acordou de sonhos intranquilos

Bebi água gelada, era meia-noite
E era também como se eu tivesse acabado de acordar.
Comi um pedaço de queijo, esquecido na geladeira
E era ainda como se eu nem tivesse dormido.
Liguei a tv, fui ver alguma coisa
E era como se meu sono estivesse vindo.
Não era meia-noite
Era um meio-dia kafkonfuso
Meus olhos é que estavam fechados
E meu sono foi mais lúcido que a realidade...
Vou beber água gelada
Pra ver se agora acordo.





Hoje pisei num botão
caído no chão do quarto
botão carregado de lembranças
esquecido, ali, no meio do quarto.
Abaixei-me e peguei o botão
branco que
Era da blusa azul
que eu usei quando encontrei
você.
Fingi que esqueci
Larguei o botão no chão outra vez
E voltei a dormir.



Palavras sem nexo
Jogadas no papel
Letras sem força
Empurradas porta afora do peito
Porque não há mais espaço pra nada em mim.





Amor, estou cansado, e amargo, e só...
Estou triste, mais triste e pobre do que Jó,
- por que tentar um gesto? E para quê?
(J.G. de Araújo Jorge)




Nenhum comentário: