segunda-feira, 14 de março de 2011

Outra viagem

Voar e sentir o vento na pele
Sumir e sentir a consumição das células do corpo-matéria
Viajar e ver as idéias fluírem pelo ar
Sem início nem fim

Ser como a nuvem que volta a ser líquida no mar
Ser como a flor que passa a adubo quando morre
Ser como a terra que resgata nossas cinzas
Ser como o mar que limpa as almas
Ser como o sol que ilumina o justo e o vil

Ser cruel ou ser bom, ser vivo ou ser humano
Ser alguém ou ser algo?
Qual a distância entre os dois?
O que os separa?


O piano que soa ao longe tocado por alguém
A luz que me ilumina não fui eu que acendi
A estrela que explode e sua vida se espalha Universo afora
O pássaro que voa e o filhote que cai do ninho
O céu que fica escuro quando o Sol vai embora
A solidão que se instala no peito de quem é abandonado
A troca de palavras perdidas entre um casal em crise
A vida que se vai quando alguém morre
O amor secreto que machuca o peito
O cachorro que late, solitário, na madrugada
As luzes das estrelas passando por entre as nuvens
As flores molhadas de orvalho da manhã...

Nada que fique estático
Paralelo ao futuro
Tudo que, num dia, some
Tudo que nunca mais volta
Aquilo do qual se sente falta
O vazio que permeia o sentimento de culpa
O muro no meio do caminho
O que você faz com ele?
Coloca dinamite , senta e espera ou se mata diante dele, manchando a parede com seu sangue?

Aquilo que você mais leva a sério
É o que mais ri de você
Aquilo que mais te desespera
É o que deixa feliz teu inimigo
Aquilo que te deixa tão solitário
É o que te leva para dentro de si mesmo
Aquilo que pensam de você
É o que mais você acha errado
Aquilo que te falam e você desdenha
É o que vai te acontecer
Aquilo que é parte de alguém
Pode ser tudo que há em você
Aquilo que você não tem
Só importa tanto porque alguém tem
Os outros esperam de você muito mais do que você espera de si mesmo
Sempre.

O que se escreve e o que se lê?
O que se vê e o que se ouve?
O que se sente e o que existe?
O que é verdade e o que é mentira?
O que salva e o que mata?
O que é certo e o que está errado?
Qual é a tua luta?
Qual é a tua força?
No que poria todas as tuas fichas?
No que poria teu coração?
Em quem confiaria tua razão de viver?
Quem é seu dono?
O que manda na tua razão?
O que você ouve e acha besteira?
O que é difícil para você?
Já se sentiu rejeitado?
Já se sentiu morto?

Eu já senti isso tudo.
Eu já pensei em tudo isso
E sei que pisei no limiar da loucura.(E ainda piso.)
Afinal, a sanidade é um terreno frágil, calcado em sonhos.


Sigo sempre em frente
E nunca volto atrás
Cometo erros, talvez sempre os mesmos...mas, tento corrigí-los
Mesmo sabendo que isso exige tempo e paciência.

Não sou delicada
Mas sei chorar
Não sou bonita
Mas tenho idéias preciosas
Não sou fraca
Mas sei que minha força não resolve muita coisa
Não sou forte o bastante
Mas sei que a verdadeira força mora no coração
E não nos músculos.

Mas, enfim,
Fico por aqui nesse mar de palavras sem fim.

Nenhum comentário: