quinta-feira, 7 de abril de 2011

Coração de Estudante

Tenho medo de me tornar um ser medíocre.
Tenho medo de desistir de tudo.
Tenho medo de desistir do mundo.
Tenho medo de me acostumar a qualquer situação.
Tenho medo de não esperar nada de bom do ser humano.
Tenho medo de já não esperar que algo mude.
Tenho medo de desistir de mim.
Tenho medo de insistir no Outro.
Tenho medo de desistir dos outros.
Tenho medo de cansar da vida.
Tenho medo de abandonar o barco.
Tenho medo de ficar seguindo a corrente.
Tenho medo de nadar, nadar e morrer na praia.
Tenho medo de deixar de acreditar em Deus.
Tenho medo de não olhar pra fora.
Tenho medo de não olhar pra dentro.
Tenho medo de dizer e de acreditar, de acreditar, meu Deus!, que não há mais caminho possível para ser feliz.
Tenho medo de esquecer do meu coração, das minhas letras, dos meus sonhos.
Tenho medo de espalhar essa descrença.
Tenho medo de acabar com os sonhos de alguém.
Tenho medo de não olhar mais nos olhos dos outros seres humanos.
Tenho medo de desistir da humanidade.
Mas...
Hoje, eu vi um homem chorar
E vi em seus olhos tantas coisas tantas coisas tantas
Vi um mundo ruir, vi sua esperança partindo, indo
Vi toda sua história como num livro
Vi, meu Deus!, eu vi um ser humano em que vale a pena acreditar
Calei-me, envergonhei-me toda, mas não chorei, não chorei
Tive medo de chorar também, ó Homem
acompanhar tuas lágrimas ali...
Perdoa-me, perdoa-me o mal jeito
Perdoa o meu maldito orgulho no peito
que me impediu de chorar ali contigo
Perdoa porque não quis te dar lágrimas, tentei te dar força...
Perdoa porque não quis te passar minha fraqueza tão grande, mas a minha força tão pequena...
Perdoa porque não quis te dar minhas dúvidas monstruosas, mas as pequenas certezas que tenho na alma...
Mas, ainda assim, eu não soube o que fazer direito
Eu, eu tremi, eu, eu suei...eu sofri ali, contigo, eu juro.
Eu tive medo, eu tenho medo todos os dias, todas as noites
Eu também não durmo e eu juro, meu amigo, que eu choro
Choro tuas lágrimas e as lágrimas do mundo na noite escura, ou no meio desse silêncio de fim de tarde...
E ainda que te vejas sozinho um dia, uma noite
Quero que saibas e creias que meu coração também está contigo
Porque disseste-me tudo como um amigo, um igual
E naquele momento eu te vi como um irmão, meu irmão, meu igual.
Hoje, Homem, entendi o que querias dizer com princípio da alteridade.
Hoje, Homem, entendi todas as tuas lições, carinhosas lições...
E, creia-me, minhas lágrimas mais sinceras vão para ti nessas palavras tão simples.
Obrigada. Muito obrigada.
E, que a paz esteja contigo...e Conosco!

8 comentários:

Fernando Vieira disse...

As dores... Que dores? Sorrisos... Que sorrisos?

Os choros... Por quê? Por quê? Não me venham com explicações científicas para nossas lágrimas! Elas são o soro da vida, e acontecem quando ousamos nos expulsar de nossa casca feita de matéria consumível. Não, as lágrimas não. Elas descem, secam... Nós as enxugamos, não as vemos mais... porque se transformaram em energia, sol... Sol...

Nossas lágrimas é que compõem o Universo.

Estou aqui. Penetrem no meu mundo com o poder inominável de suas lágrimas!

Chorem comigo.

27.10.04, às 02h52


Procurei um fragmento de texto escrito já há tanto tempo porque não tenho palavras para agradecer tanto carinho...

Mariana Belize disse...

Eu aprendi muito hoje. Muito sobre a vida. Obrigada, professor.

Valéria Lourenço disse...

Ah, que bom fazer parte desta turma. E estar ao lado de pessoas tão maravilhosas e generosas como Mariana B.e professor Fernando.

Mariana Belize disse...

Ah, Valéria! E, para mim é uma honra estar ao lado de alguém tão paciente como você!

Mariana Belize disse...

E maravilhosa! E inteligente! rs

Naaman disse...

Ia postar alguma coisa, mas fiquei sem palavras...
Que bom que você está conseguindo botar pra fora todo esse teu sentimento. Te amo!

Fernando Vieira disse...

Ontem, Valéria e Mariana, não havia professor e alunos; havia pessoas chorando juntos, sofrendo juntos.

Talvez a dor enorme da Escola Municipal Tasso da Silveira estivesse na nossa sala de aula naquele exato instante...

Mariana Belize disse...

É verdade.