sábado, 16 de abril de 2011

Lembrança e pensamento

Não sei guardar meus próprios segredos...
Meu rosto me trai, minhas palavras me condenam.
Meu coração me julga todo o tempo e minha razão já bateu o martelo:
-Prisão perpétua!
Não sou um túmulo para mim mesma, nem sei me proteger do mundo...
Perdida, caminho pelas ruas...sem saber que trajeto seguir,
como agir e, muito menos, se fujo ou me escondo.
Se me fujo ou se me escondo de mim...
Se fujo e me escondo só de você, na verdade.

Vejo a televisão sem que ela me assista
troco os canais, um por um a cada segundo
programas e repórteres a esmo
carne e sangue no noticiário das seis, sete, oito
beijos ensandecidos e sexo selvagem nas novelas de todas as horas.

Largo de vez essa vibração tensa, desligo a televisão
enfurno-me na música e quem vem a cantar agora:
-Teresa, canta! Livra-me dessa angústia. Acalma meu coração com a tua voz...
Deito na cama, com o braço sobre os olhos,
as luzes apagadas...uma brisa suave e fresca entra pela janela
E a paz reina. O silêncio impera.
Enquanto tento me recuperar dos dois minutos sangrentos de TV...

Os olhos relaxam, a mente se recupera:
as lembranças assomam novamente
e eu recordo porque não queria mais pensar...
não queria mesmo era lembrar que penso em você.

Um comentário:

Anônimo disse...

Intenso Mari.

Bjs.
Valéria