segunda-feira, 2 de maio de 2011

Para Doxo

Pensando bem, o que há na vida que a torne tão especial?
Pensando melhor, o que há em nossas existências que nos faz seguir em frente a cada dia?
Há algo? Há vida? Há existências?
Há alguma resposta, por aí perdida, para minhas inesgotáveis perguntas?

Há um poço sem fundo em mim, há um escuro abismo sob meus pés.
E eu caio, caio lentamente...nem há vento em meus cabelos
E até a gravidade parece estar às avessas. Tudo está ao avesso.
Há o céu, há o azul do céu, há também a lua, e todas as estrelas vazias...
Há o vácuo dentro de mim e também toda a solidão do mundo.
Do meu mundo...do meu mundo perdido...num planeta distante. Longe.
Há figuras de linguagem subliminarmente escondidas em tudo
Há também sentenças persistentes em minhas palavras
Há fé? Há verdade? Há sol, há céu, há mar...
Há ali, e em tudo, minha dor a sorrir...minha dor a sonhar tão alto
tão alto que não posso alcançar
tão alto que não posso, ao menos, sonhar também
tão alto que só grito
e nem meu eco fraco chega a meu sonho
nem meu eco fraco chega a você em toda essa distância...
ah! quão longe...quão longe eu posso suportar?
quão perto você pode estar sem me deixar louca
totalmente desvairada
arrebatada por tudo...por qualquer brilho estranho em teus olhos
por qualquer gesto mais amplo
por qualquer palavra mais abrangente
tudo.
ah! e o quão longe eu posso ficar, sem me deixar sozinha, espantada
sem me mergulhar no oceano de lágrimas mais profundo que
possa haver em qualquer lugar de mim
onde? onde pode haver amor maior? amor maior que o meu!
e nenhuma das vinte e quatro horas
tem mais sentido algum na vida
se tudo que faço é dormir, sonhar, enlouquecer...sentir o coração
quase parar
depois, recomeçar a loucura novamente.
ah! onde posso encontrar tamanho sofrimento?
onde posso encontrar olhos como os teus?
olhos tão como os meus
e tão escondidamente loucos
tão profundamente arrebatadores
tão puramente apaixonados
iluminados por aquela chama secreta...Eterna!
ah! e este céu continua vermelho
a chuva não cai de jeito nenhum
nem me lava, nem me molha, nem me abandona de vez
fico aqui, prostrada de sonhos, de dores
que comprimido nenhum faz passar...
hoje. e o hoje? me reservou surpresas lindas
abraços calorosos, saudosos
...
ah! mas, e essa grande dor sem cura?
mas, e esse amor sem remédio?
e essa poesia cheia de clichês?

tudo tem um fim. eu creio que essa chuva também vai passar.
tudo passa. eu também passarei.
e você...será eterno em minha poeira celestial
e você...será eterno em todas as minhas palavras
e você...será eterno nos meus sonhos
e você...eu sei, nunca estará no meu caminho. Nunca.
Porém, não esqueça o caminho dos meus sonhos. Não esqueça.
Porque ali temos o direito de nos encontrar
seja eu te embalando com canções de ninar
seja você...só sendo você me basta.
Nada de cantos, nada de letras, nada de toques, nada de dores:
sonhos leves, sonhos puros, sonhos doces, sonhos sonhos.
É o fim. É meu fim: terminar-me como pó de sonhos,
poeira de estrelas,
cinzas de palavras,
mero resíduo de eu poético,
mero eco de eu-lírico.

8 comentários:

Mariana Belize disse...

Só gostei do final. O resto achei sem graça...

Naaman disse...

Você que escreveu? Tem que esperar alguém comentar... Poeta não pode se autocriticar antes do público se manifestar! (Estou só exercendo o meu direito de papi bronqueador chato.)

Mariana Belize disse...

putz...posso nem comentar minha própria obra!
rsrsrsrsrsrs
ligo não, pai.
mas é a realidade, só gostei do finalzinho...

outra coisa, e teu comentário, cadê? só vi bronca.
buaaaaaaa



rsrsrsrsrs
beijos
Mari

Naaman disse...

É, foi só bronca, mesmo... Beijão. Te amo.

Daiane Borduam disse...

:)

Daiane Borduam disse...

Achou sem graça... sua chata, eu gostei!

"Porém, nao esqueça o caminho dos meus sonhos. Não esqueça
Porque ali temos o direito de nos encontar...

:)

Naaman disse...

Muito exigente ela, não? mas, chatéocê...

Mariana Belize disse...

rsrsrsrs
exigente?