sexta-feira, 14 de outubro de 2011

Seringa

Tristeza
goteja lágrimas de sol
margaridas desesperadas

Veja meu coração
como eu estou indo para longe
Ninguém vê
esse céu sobre mim

Solidão, não há mais nada em mim
para ser destruído:
nem milagres, nem crenças
nem deuses, nem amarguras.

Dores esparsas
no caminho.

E minhas mãos escrevem o que minha alma não vê.
E meus olhos choram o que minha alma não sente.
Imaculada.
Anestesiada.

Anestesiada de morte.
Meu imaculado fim.

Nenhum comentário: