segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

Ritmo cardíaco

Pedi para um mago me dizer
onde foram parar todas as estrelas...
caíram dos céus, num átimo, num repente estranho
e ninguém percebeu?
Pedi para um mago me explicar
onde foram parar todos os povos antigos...
foram destruídos, dizimados, humilhados
e ninguém, até hoje, percebeu?
Pedi para que me contasse o segredo do Universo inteirinho
e ele me disse
com uma voz calma e calorosa:
"É o amor, Mariana, é o amor..."

Nuvens que vêm, beirando estratosferas ermas
não mais em silêncio
mas em barulhentas turbulências supersônicas...
Flashes que não vêm mais dos raios sagrados dos deuses
não mais nos pegam desprevenidos,
só temos medo de uma bomba nuclear...
Frequências estranhas que perpassam nossas mentes
todo o tempo,
bombardeiam nossas almas com informações
inúteis cronogramas
neuroses sistemáticas
crises nervosas...


Pedi para um mago me dizer o segredo do Universo.
Ele não me disse nada.
Jogou-me num caminho, sem água, sem comida
e disse: "Trilhe!"

E cá estou em eterna busca.
O mago... se foi.

4 comentários:

Carolina da Hora disse...

Acredita que somente em 25/11/11, após um seminário acerca de Freud descobri que viverei uma eterna busca? Não sei se era ingenuidade, mas eu bem que acreditava que um dia eu teria respostas e chegaria a algum lugar...

Amo enxergar-me em seus suspiros!

Beijão.

Naaman disse...

Pois é, e eu com 63 anos, ainda buscando respostas e chegar a algum lugar... Acho que aos 14 eu já sentia que não teria respostas para a maioria das minhas perguntas. A minha busca só não será eterna, porque acredito firmemente que quando eu acabar, ela também acaba...
Meus magos (todos) já se foram...

Carolina da Hora disse...

Faz sentido! Quando acabarmos nossa busca também acabará. Resta saber se isso ocorrerá hoje, amanhã ou daqui a alguns anos... Enquanto isso, sigo buscando...

Mariana Figueiredo disse...

Adoro o diálogo que acontece aqui no blog com você, Carol.

Vamos continuar buscando...rs

Um abraço,
Mari