terça-feira, 13 de dezembro de 2011

Vento no litoral

E dentro do ônibus
eu vinha pensando em tanta coisa pra te dizer
te escrever nesse começo de noite
Porém, agradeço aos Céus por ter esquecido
cada centímetro de verso que me lembrasse o rosto seu...
O vento passa e suspira no meu ouvido esquerdo
lá no fundo, teu perfume me perturba
bem no fundo, meu coração relembra
mais profundo que ainda nunca esqueci...
E dentro do ônibus eu pensei em tanta coisa bonita
tanta rima perfeita
tanta coisa bem escrita
tanta besteira passageira
Agradeço seriamente por esse vento que passa agora
ter me feito esquecer cada letra que compõe
teu nome e sobrenome... E as cores dos teus olhos,
o sinal da tua mão direita, as formas da tua sobrancelha,
a tua voz que assombrava as noites
e tudo mais, e tudo mais, e tudo mais
que ainda nunca esquecerei...
E tudo agora é aquele corredor de portas trancadas
e tudo agora é a lembrança recente dos teus olhos
que vi tão pouco
e tanto me perturbaram a tranquilidade...
E tudo se torna aquele impossível outra vez
e tudo agora é passado...
A poesia que já acabou,
a dor que retorna à ativa...
noites de insônia, madrugadas cativas...

O sol nasceu, a poesia dormiu... menos a poetisa.
A poetisa esqueceu-se
de si mesma.

8 comentários:

Mauricio Tramonti disse...

Lindo Mariana...

Naaman disse...

Você, apaixonada, é, realmente, o máximo!!!!!!!!

Fernando Vieira Peixoto Filho disse...

Que o objeto de sua paixão seja ao menos merecedor de tanta paixão.

Mariana Figueiredo disse...

Olá, Mauricio!
Obrigada, mais uma vez, pela presença aqui no Galpões.

Um beijo,
Mari

Mariana Figueiredo disse...

Oi, pai!
Toda mulher apaixonada é o máximo!

As palavras fluem melhor quando estou sob o efeito devastador da paixão.... rs

Um beijo e obrigada pela presença.

Mari

Mariana Figueiredo disse...

Olá, Fernando.

Sinto que a pessoa que me serve de inspiração merece não só minha poesia, mas meu coração.
Porém, como sempre, não sou correspondida.

Um forte abraço,
Mariana

Carolina da Hora disse...

Você apaixonada é ainda mais apaixonante!

Gostaria de poder fazer esta paixão ser correspondida da melhor forma possível mas este porder a mim não cabe. Então só posso desejar que continue se apaixonando e mantendo seu coração batendo, mesmo sangrando, doendo, inquieto, como o meu.

Fernando Vieira Peixoto Filho disse...

Bom ser chamado de "Fernando". Prefiro "Fernando" a "Prof. Fernando".

Abçs!