sábado, 18 de fevereiro de 2012

7:50

Aqui
onde o sol não me aquece
sol branco, sóis gelados
fluorescentes
luzes alvas
extraterrenas
me assustam...
São como agonizantes fadas.

Respiro fundo, o pavor
me acaricia
me angustia o toque
tão solícito
Esqueço até de como se respira.

Mas que espetáculo se apresenta:
o sol que vem
caminha até mim
e sorri.
Passa o frio
o pavor
a angústia
o medo


O sol é o passageiro da manhã.

Nenhum comentário: