quarta-feira, 30 de setembro de 2015

Afogada

não chorei tua perda
guardei os papeis do amor inacabado
engoli o gozo falido do assunto iludido
mal conseguia cambalear
do peso da tua ausência
e tua bússola
que me norteava
foi meu crescente desespero
vê-la desaparecer
e eu...
a me afogar, perdida no mar revolto
da saudade
somente sussurrava:

"por mais que o mundo me deixe cego
eu sei que o Verbo me lê"


Nenhum comentário: