sexta-feira, 6 de novembro de 2015

instant karma

Aquela febre veio
arrebentando o corpo
toalhas quentes de uma tonelada
sobre cada pedaço
eu, deitada sobre u'a fogueira
morta de frio

a cabeça tateando algum comprimido
água desce ressecando quatro cápsulas
corpo envolto em panos quentes
suor em algum delírio... depois, silêncio...
os olhos gritam com tochas acesas
enfiadas até o fundo
sem brumas

tudo está longe
estou deitada na areia do deserto
de meu próprio clichê
que não abro mão

estou deitada no deserto do Saara

meu coração.