sábado, 7 de novembro de 2015

madrugada romana

eu não sei escrever.
preciso de um comprimido a mais
me manter acordada
mais um copo de café
e um de coca-cola
eu não sei escrever
sei carregar insônias
agonias desesperos
partir de dentro de mim
ir pra rua e deixar a alma
em casa trancada puída
um pano de chão encardido
eu não sei escrever
me dê outra pílula
de nome esquisito
dez miligramas de força de vontade
vinte miligramas que combatem a saudade
cinquenta miligramas excitando meus neurônios
cem miligramas me ensinando a escrever qualquer coisa
eu não sei escrever
vou tomar mais um remédio
e depois, adoecer suavemente
e, dentro de um sonho, aquecer
mercúrio e chumbo
para fazer a Grande Obra
e deus queira,
saturno me ajude,
que eu acorde a tempo
de ver tuas malas abertas
e teu regresso ao meu coração.

eu não sei escrever...
só sei que nada sei
até encontrar a minha oração.