terça-feira, 2 de fevereiro de 2016

Entrega

quando as cortinas escorrem
pelas paredes
do meu peito

o amor esquece de abrir
seu baú de sonhos

e eu, afetuosa, apenas
jogo com o Tempo

e eu, com a intimidade
das velhas yabás

viro a ampulheta e
entrego meu corpo
às águas do Mar.