quinta-feira, 3 de março de 2016

Muda,

te ouço nos silêncios das outras músicas
abarco meus desejos nas outras letras
para tentar esquecer das tuas palavras.
Te ouço no silêncio amargo entre
o palavrório alheio
e qualquer coisa que chamam de
canção.

Te ouço sobretudo quando durmo
e perco minha mente nas tuas letras misturadas
inconscientemente pelo destino
no meio dos sonhos palpita estranha obsessão
de pesadelos com tuas perfeitas melodias,

Depois de tudo,
sempre acordo cansada e trêmula.
Continuo nessa luta entre te ouvir no silêncio alheio
e cantar tuas canções com minha dor
e da minha sanguinária letra tirar
qualquer nota
que te pertença,

E julgando perdida a loucura,
me mato na manhã suprema
em que o sol inteiro canta
toda tua presença.