quinta-feira, 2 de junho de 2016

Confissão

os ônibus hoje carregam nuvens de água, lama e
os meus sonhos, detidos sob os pneus, não se lamentam.

os meus sonhos choram baixo
vã tentativa de recolhê-los
à beira da rua molhada.

os meus sonhos esmagados
no chão
sigo o exemplo
e não vocifero contra o destino.

os meus sonhos morreram
atropelados pelo meu silêncio
em não defendê-los.

Mariana Belize