segunda-feira, 26 de setembro de 2016

Lâmina, arrepio e sopro

o infeliz dita o que o ódio percebe
e de dentro do desejo

meu tirano se aborrece no escândalo

eu escrevo, eu escrevo
mais uma vez só que sem amor

mais uma vez
só que sem amor

não me beije agora nem depois
nem me procure

a vida é um absurdo do qual não duvido

meu talento de viver
é indivisível

dilacero meu peito
eu mesma
bastante mulher para costurar
as feridas

Mariana Belize

Nenhum comentário: