quinta-feira, 18 de maio de 2017

negue

esse teu ritmo, a mim tão simpático
é o que odeiam aquele zumbis
pois, se preferiam ficar parados
o melhor, então é tua partida

ares antigos, vozes doces
a brisa plangente
portuguesa
um avião, um flautim
um vinho... Azeite.

te prefiro longe, se feliz,
do que alvo e dardo
de ares arcaicos e
jogos vorazes.

é um café que me acomoda...
teus versos que leio e releio
tardes em cabanas de aprisântemos
eu me deito, tudo finda
é o lar, é o chão.

te aconheço d'alguma lira
que persigo
te encanto d'algum papel antigo
aqueles versos
que são de fel, cassis e céu.

Tudo é frágil
a palavra, o arco e a lira.
Muito cuidado:
mais frágil ainda
é a corda do meu peito
na qual te equilibro.

Mas não tenho
- nem quero -
hiato.

Mariana Belize

Nenhum comentário: