terça-feira, 27 de junho de 2017

Instântaneo

Daqui a pouco, alguém vai gritar lá do outro lado, me chamando pro trabalho. Eu sei que deveria estar em outro lugar. Eu sei de tanta coisa, tanta tragédia anunciada, tanta mão que enfiei em vespeiro. Amor, volta. Amor.... que nem veio.
Sobrevivo desse ritmo que me assombra, mas a verdade ignoro. Ainda tenho um coração e uma prosa. Ainda tenho tuas imagens. E sonhos. Amor... volta. Amor... que nunca veio.
Sobrevivo desse catavento de palavras que assopro na tua vizinhança. Carambolas que não posso pular na vizinha pra pegar porque vou atrapalhar teu sono. Tão perto e tão longe. Amor...volta. Amor...que não veio.
Qual o desenho que te conquista? O que eu posso ser ou melhorar? Nada disso é verdade, é uma farsa pra te encantar. Mentira, fake, face segura escondida sob os sete véus
Mas você duvida. Já viu tudo, eu não engano nada.
Velho... Voz que ribombou pelo mundo. Eu, inteira pequena volátil
bola de gás colorida flutuando
balão de meu avô Hélio
brisa de verão nas tuas sobrancelhas
provei teu suor na noite do deserto
enquanto você dormia
os camelos tem insônia
esse teu pano azulroyal
esse teu olho fechado
essa mão
e o rubi.

Meu coração é a pirâmide de Gizé
encarando de longe teu olhar.
Vem, amor... amor que nunca
Nunca virá.

Mariana Belize

Nenhum comentário: