segunda-feira, 31 de julho de 2017

Verdade de Exu

Ergui
Ergui tanto que descuidei de mim
Levantei
mas fiz tanta força pra você que esqueci de mim
Ergui
tua alma, tua boca, teu mistério, tua letra
teu corpo, tua dança, tua língua e teu corpo
Ergui tua magia
Levantei teu destino
Ah...até aquela noite fatídica
Que, na encruzilhada, um joelho eu dobrei
E não foi a Jesus que me dirigi
Mas à Exu.
Implorando eu saudei a madrugada
fumei três cigarros e carreguei três rosas
como três cruzes
Eu já não tinha mais caminho.
Gritei.
A madrugada partida em duas,
uma estrada anunciada
quatro moedas tilintavam
e eu, vestida de cigana,
só me disfarçava.
Exu apareceu,
olhou dentro do meu olho
de pombagira
ergueu minhas mãos
armando minhas garras
não de gata. De Exu.
E foi então que a noite fez-se meio-dia
e ele riu
E eu ri.
A salvação me encontrou.
Laroiê, meu pai.
Laroiê, Exu.
Mariana Belize, uma sobrevivente desse brinquedo que chamam "Vida". Aqui fica meu agradecimento a este Orixá geralmente esquecido, confundido, disfarçado... Este orixá que tomou minhas dores e transformou em rosas. Eu agradeço também aos meus verdadeiros amigos que sabem quem são. E peço benção não só pra mim, mas pra todos aqueles que me desejam o Bem.
E laroiemos! Que hoje é dia de festa!

Hoje é dia de festa... o inferno acende a labareda
Acenda luz do candeeiro... Pra receber pessoa amiga...

Nenhum comentário: